14 setembro 2011

Empreitada musical 1

Algumas pessoas que me conhecem sabem o quanto eu gosto de música. Eu cresci ouvindo música incentivado principalmente pelas minhas irmãs que sempre cantaram na igreja. A música é algo que faz parte da minha vida desde sempre e acabou se tornando uma das minhas grandes paixões. Não sei dizer se gosto mais de informática ou música, mas escolhi a informática como carreira e música como hobby.
Meu primeiro contato com um instrumento foi por volta dos 10 anos de idade. O irmão de um amigo se ofereceu para me ensinar a tocar bateria, mas as aulas duraram umas 3 semanas. As aulas terminaram por motivos pessoais do professor.
Aos 16 anos de idade ganhei um violão e comecei a estudar sozinho. Aprendi vendo outras pessoas tocando e também comprava revistas com músicas cifradas. Nessa época também estudei um pouco de teoria musical, basicamente sobre partitura.
A paixão pela bateria foi despertada novamente aos 26 anos de idade. Comecei a fazer aulas para tocar na igreja e esse período durou um ano e meio. Parei as aulas porque mudei de cidade. No final das contas descobri que minha maior paixão é a bateria, mas ainda tenho vontade de aprender outros instrumentos.
Nas últimas semanas comecei a estudar um pouco mais sobre teoria musical pensando em, futuramente, compôr algumas coisas, seja música própria ou criar novos arranjos para músicas já existentes. Para ajudar nessa nova empreitada também comecei a estudar teclado por conta própria, mas assim que eu puder pretendo fazer aulas e aprender a tocar de verdade.
Os primeiros resultados dessa aventura com o teclado você pode conferir abaixo. A música em questão chama-se Cantaloupe Island, um tema de jazz criado pelo grande pianista Herbie Hancock. Essa é minha primeira gravação, não esperem muita coisa, fiz isso em casa e comecei a estudar essa música no último sábado (10/09). O arranjo também não é o original, essa é a minha interpretação como resultado dos meus primeiros estudos de teclado. Fiquem à vontade para críticas, sugestões, dicas e espero que gostem.

(O áudio está indisponível no momento. Desculpe o incoveniente.)

Grande abraço.

03 junho 2010

São Paulo Ska Jazz – Virada Cultural Paulista

Pela primeira vez esse ano cá estou em mais um post, agora para falar sobre uma banda que eu tive o enorme prazer de conhecer na Virada Cultural Paulista em Bauru, o São Paulo Ska Jazz.

Eu nem sabia da existência desse grupo quando vi a programação do evento. No mesmo horário aconteceu o show do Tom Zé, mas preferi arriscar conhecer o São Paulo Ska Jazz, “se tem Jazz no nome deve ser bom”, pensei.

Liderada pelo baixista Marcelo Calderazzo a banda tem um estilo caracterizado pelo Ska Jazz, um subgênero da terceira onda do ska, com pitadas de frevo, reggae, baião, é uma mistura das boas.

Hora do show, as cortinas do Teatro Municipal de Bauru se abrem e meu olhar corre para a…??? quem adivinha??? a bateria, claro!!! E qual não foi minha surpresa, reconhei o baterista. Ramon Montagner, músico de muito bom gosto e muita habilidade bem ali na minha frente. Sendo eu um estudante desse instrumento, que não dá pra colocar em apartamento, não posso negar que a emoção tomou conta.

O show começou com a música “São Paulo”, uma homenagem a uma das principais cidades desse nosso país, passando por várias outras de autoria do grupo, que fazem parte do primeiro CD, e novos arranjos para outras já conhecidas como “Samba de Uma Nota Só” do nosso glorioso Tom Jobim finalizando com a música “Alta Frequencia”.

Fim de show, “mas já?” pensei com uma certa tristeza, mas não acabou por aí. Eu estava a poucos minutos de conhecer um dos meus grandes ídolos musicais. Fui para o saguão do teatro esperando com ansiedade a chegada dos músicos. Fiquei conversando com um dos organizadores do evento só pra puxar papo, ele estava cuidando dos CDs do São Paulo Ska Jazz que estavam à venda. Logo ele gritou “Ramon, vem aqui!!!”. Então fui apresentado ao grande Ramon Montagner, algo que eu nunca pensei que um dia aconteceria. Para não ser incoveniente conversei pouco com ele, mas foi o suficiente para ganhar o dia. Pedi uma foto com ele, mas não prestei atenção que estava no modo “movie” e cadê a foto? “Ih, estava filmando. Vamos tentar de novo”. Agora o cara dos CDs se ofereceu pra tirar a foto.

Por fim vou pra casa sozinho, mas com uma felicidade sem tamanho e levando comigo a foto que registra o evento do dia.

Ramon

Abraços para todos.

25 setembro 2009

Nunca vi uma coisa dessas

Fiquei bestificado quando assisti esse vídeo. Parece mentira, é só vendo pra crer. Quando vejo esse tipo de coisa percebo o quanto sou ingrato pelas vezes que reclamei de muitas situações da vida. E esse cara aí do vídeo tá tocando, cantando e sorrindo. Estou envergonhado.

Abraços.

02 setembro 2009

Quer aprender a cantar igual a Vanusa?


É isso aí pessoal, essa história da cantora Vanusa nem esfriou e a galera já arrumou uma outra forma de "bagunçar o coreto" com ela novamente e criaram o Vanusator.

O Vanusator é um site onde você coloca a letra de uma música qualquer e o site faz uma bagunça enorme trocando a ordem das frases. Tremenda sacanagem, mas fica engraçado.
Divirtam-se.

Show de mágica

Essa é uma entrevista do Programa do Jô exibida dia 27/08/2009 com o mágico Ricardo Korn Malerbi. O cara é muito bom. Eu estou até agora tentando entender como ele faz tudo isso.

Abraços